Nepal e Tibete

Dia a Dia:

1° Dia – Chegada a Kathmandu 

Pernoite: Kathmandu 

Na chegada à cidade, traslado para o hotel. 

2° Dia – Em Kathmandu: passeio pela cidade incluindo Durbar Square, Swoyambhunath e Patan 

Pernoite: Kathmandu 

O dia de hoje é dedicado para conhecer Kathmandu, a maior cidade do Nepal.
Visite a Praça Durbar, repleta de palácios, templos e estupas. Os reis do Nepal viviam e comandavam o país daqui até a construção do Nararayanhiti Royal Palace.
O passeio também inclui visita a Swoyambhunath, também conhecido como templo dos macacos. O lugar é um pouco afastado do centro de Kathmandu, e oferece linda vista sobre o vale da cidade, além de ser o melhor lugar para observar a harmonia entre o hinduísmo e o budismo no Nepal.
De lá a visita segue até Patan, cidade distante cerca de 5km de Kathmandu, e um das três cidades reais do vale e é um centro de cultura hinduísta e budista, cheia de arte religiosa, templos e monastérios.
Retorno ao hotel. 

3° Dia – Em Kathmandu: passeio na cidade incluindo Pashupatinath, Boudhnath e Bhaktapur 

Pernoite: Kathmandu 

Mais um dia de visitas em Kathmandu. O passeio começa por Pashupatinath, um dos lugares mais sagrados do hinduísmo, dedicado a Shiva Pashupati Nath. A entrada no templo é permitida apenas para aos hindus, mas os visitantes podem observá-lo. Conheça também a stupa de Boudhnath, ou “a grande stupa”, uma das maiores do mundo. A  última visita será na Stupa Boudhanath, um dos mais antigos e sagrados monumentos do Nepal. 

4° Dia – Ida de Kathmandu para Lhasa (voo – terças, quintas e sábados) 

Pernoite: Lhasa 

Em horário combinado, traslado para o aeroporto de Kathmandu e embarque com destino a Lhasa.
Lhasa é capital da região autônoma do Tibete e centro político, religioso e econômico de toda a terra tibetana. Sugerimos descansar para aclimatação.

5° Dia – Em Lhasa: passeio pela cidade incluindo o Palácio Potala e o Monastério Drepung 

Pernoite: Lhasa 

Café da manhã no hotel e saída para visitar a cidade, passando pelo Palácio Potala que é a residência de inverno de Dalai Lama desde o século VII – um símbolo do budismo tibetano e do papel desempenhado por este na administração tradicional do Tibete.
Visita ao Monastério Drepung, construído em 1416 e onde viveram mais de 10,000 monges. Aqui está uma grande coleção de relíquias históricas e escrituras budistas.
No fim do passeio, retorno ao hotel. 

6° Dia – Em Lhasa: passeio na cidade incluindo o Templo Jokhang, o Monastério Sera e a Rua Barkhor 

Pernoite: Lhasa 

Visita ao Monastério Jokhang, considerado como a catedral do budismo tibetano, a rua Barkhor (a mais antiga e tradicional do Tibete) e ao Monastério Sera, considerado uma universidade para os monges. Sua maior “atração” é o debate entre os monges, que acontece todos os dias às 15hs. O debate é realizado ao ar livre e é um processo de aprendizado e compreensão da filosofia budista.

7° Dia – Ida de Lhasa para Kathmandu (voo – terças, quintas e sábados) 

Pernoite: Kathmandu 

Em horário combinado, traslado para o aeroporto de Lhasa e embarque para Kathmandu. Na chegada, traslado para o hotel e restante do dia livre. 

8° Dia – Saída de Kathmandu 

Traslado para o aeroporto de Kathmandu e embarque em seu voo de saída. 

Incluído no Roteiro

Aéreos internos
Nos trechos Kathmandu/ Lhasa/ Kathmandu em classe econômica.

Hospedagem
4 noites em Kathmandu com café da manhã;
3 noites em Lhasa com café da manhã; 

Traslados
Todos os traslados em veículo privativo com ar condicionado com motorista e assistência de um representante local.

Passeios
Todos os passeios mencionados no programa em serviço privativos, em veículo com ar condicionado e acompanhamento de guias locais falando espanhol em Kathmandu e inglês no Tibete;

Outras inclusões
Taxas de entrada nos monumentos visitados (uma entrada);
1 garrafa de água mineral por pessoa no carro durante as visitas em Kathmandu;
Cilindro de oxigênio em caso de emergência no carro dos passeios no Tibete;
Taxa de visto do Tibete.

Assistência Internacional
Plano ASSIST CARD AC60. Consulte-nos sobre informações e coberturas incluídas.

Não Incluído no Roteiro

Imposto de remessa ao exterior (IRRF) de 6,38%;
Passagens aéreas desde o Brasil e taxas de embarque;
Outras despesas com documentação além da taxa de visto do Tibete;
Qualquer outro item não mencionado como incluído no roteiro. 

Importante: para entrar no Tibete por Kathmandu, o passageiro deve ficar pelo menos 2 noites em dias úteis (de segunda a sexta) em Kathmandu para finalizar o processo de visto de entrada no Tibete.

Não inclui parte aérea pois os valores dos voos mudam quase diariamente. Sabendo disso, fazemos a consulta no ato da reserva para verificar as melhores condições.

Quando ir: fevereiro | maio | setembro a novembro

Daria para passar facilmente uma semana em cada capital. Porém, se você tiver dez dias para os dois países, pode ser suficiente investir uns três em cada uma, com uma parada de mais dois ou três dias para respirar o ar fresco dos lagos e da cadeia montanhosa de Annapurna, em Pokhara.

MOTIVOS PARA VIAJAR – Objeto de desejo de dez em cada dez escaladores, o Nepal e o Tibete têm muito a oferecer além da perfeição estética de suas montanhas. Os centros históricos de Kathmandu e suas cidades vizinhas são caldeirões culturais repletos de festivais hindus. Lhasa também surpreende, com templos budistas e mercados de rua vibrantes.


PAISAGEM DA JANELA – O paredão de montanhas cobertas de neve tenta alcançar o céu a mais de 8 mil metros de altitude. Vive acompanhado de um firmamento azul, lagos tranquilos, povoados pacatos, plantações de arroz, rebanhos de búfalos. E, por todo canto, as pontas das estupas centenárias fazem lembrar que estamos em território sagrado para hindus e budistas.


NÃO DÁ PRA PERDER – Experimente a paz espiritual local. Em Kathmandu, o complexo de estupas de Swayambhunath é um dos mais reverenciados por budistas de todo o planeta. Já em Lhasa, são imperdíveis os palácios Potala e Norbulingka, refúgios de inverno e de verão dos Dalai Lama ao longo da história, além dos monastérios de Jokhang, Drepung e Sera.


POR QUE IR AGORA – Com uma história novelesca – que inclui até o massacre de nove membros da família real, em 2001 –, o Nepal trocou a monarquia absolutista pela república parlamentarista em 2008. Felizmente, as turbulências causadas tanto pelas mudanças políticas quanto por protestos da comunidade maoista parecem ter arrefecido. Também no Tibete a situação anda tranquila, ainda que sob o controle linha-dura da China.


EXPERIÊNCIAS ÚNICAS – Em Lhasa, todos os dias, às 15 horas, o Monastério Sera sedia uma das maiores “atrações” da capital tibetana. Considerado uma espécie de universidade para os monges, o centro espiritual abre espaço para um debate ao ar livre entre seus alunos. Ali dá para assistir às lições de vida do mestre Buda. Outra recomendação é programar a viagem de modo que se possa fazer ao menos um dos clássicos trekkings do Himalaia – os mais acessíveis acontecem na região aventureira de Pokhara, nas montanhas de Annapurna.


OLHAR – Viajar para o Nepal é quase como viajar para outra dimensão. Não só porque ali estão as montanhas mais altas e sagradas da Terra, mas pela possibilidade de conhecer pessoas que, mesmo humildes e recém-saídas de violentas turbulências políticas, levam a vida esbanjando simpatia, gentileza e fé. Será que é a energia do Himalaia?

Requisitos

  • Passaporte brasileiro: mínimo de 6 meses da validade;
  • Seguro Saúde: Recomendamos sempre que for viajar;
  • Visto: brasileiros precisam de visto de entrada para o Nepal e Tibet
  • Vacina: É exigido comprovante de vacina contra febre amarela

Consulte – nos.

30% de entrada à vista (depósito em conta) e saldo parcelado em até 6x s/ juros no cartão (pessoa física).

Em todas remessas internacionais há incidência do IR  6,38% – cobrado junto a entrada.

*Valores e condições sujeitas a confirmação de acordo com disponibilidade de lugares no ato da reserva.